Hoje

12.00º < 16.00º
Sexta

12.00º < 15.00º
Sábado

13.00º < 16.00º
Domingo

15.00º < 17.00º
Segunda

15.00º < 18.00º
EN
ES
DE
PT
PT
Hoje

12.00º < 16.00º
Sexta

12.00º < 15.00º
Sábado

13.00º < 16.00º
Domingo

15.00º < 17.00º
Segunda

15.00º < 18.00º
EN
ES DE

Guia das espécies



Baleia-azul - Balaenoptera musculus
A baleia-azul (Balaenoptera musculus) é considerado o maior mamífero do mundo. As fêmeas podem chegar até aos 33,3m de comprimento no Hemisfério Sul, e aos 29,8m no Hemisfério Norte, enquanto os machos adultos geralmente medem menos 1,5m a 3m. Quanto ao peso, as grandes fêmeas do Sul podem pesar até 180t, os restantes pesam entre 80 e 150t.
Os recém-nascidos medem entre 6 a 7 m e pesam 2 a 4 t.
Este animal, de grande porte, de corpo alongado apresenta uma coloração geral cinzenta azulada. A barbatana dorsal é minúscula e está situada na parte posterior do corpo.
Quando emerge, mostra a parte de cima da cabeça e o espiráculo proeminente. As baleias azuis são geralmente observadas a viajar sozinhas, em pares ou em trios.
No mar, é fácil de identificar pelo sopro que chega atingir 9 a 12 m de altura. Quando mergulha, pode mostrar a barbatana caudal. Pelo seu tamanho e imponência, o sopro da Baleia-azul é um dos melhores avistamentos que podemos ter.
Nos Açores, podemos encontrar a Baleia-azul durante os meses de abril a junho.


Baleia-comum - Balaenoptera physalus
A Baleia-comum (Balaenoptera physalus) é a segunda maior de todas, depois da Baleia Azul. As fêmeas adultas podem atingir os 24m no hemisfério norte e cerca de 27m no Hemisfério Sul, os machos adultos são geralmente menores em cerca de dois metros, podem pesar entre as 30 e 81t.
Os recém-nascidos medem 6 a 7 m e pesam cerca de 2 t.
Estes animais apresentam um corpo muito alongado, cinzenta azulada escuro na região dorsal e barbatanas peitorais, e coloração clara na região ventral. Quando emerge, não é possível observar o espiráculo e a dorsal simultaneamente à superfície. Quando mergulha, não mostra a barbatana caudal, mas arqueia o pedúnculo caudal.
No mar, esta espécie identifica-se pela pigmentação da cabeça assimétrica, enquanto que o lado esquerdo é escuro, como o resto do corpo, do lado direito, o lábio inferior é branco.
Normalmente, é avistada a viajar sozinha, aos pares ou em grupos de 3 a 7 indivíduos.
Nos Açores, podemos encontrar a Baleia Comum durante os meses de abril a junho.


Baleia-sardinheira - Balaenoptera borealis
A Baleia-Sardinheira (Balaenoptera borealis) adulto macho mede entre os 12 a 18 m e pesa entre os 15 a 30 t. As fêmeas são normalmente maiores.
Os recém-nascidos medem 4.5 a 5 m e pesam cerca de 1 t.
Estes animais apresentam um corpo muito alongado de cor cinzenta azulada escura na região dorsal e barbatanas peitorais e clara na região ventral. Possui uma barbatana dorsal mais alta e situada mais anteriormente que as restantes baleias de barbas.
Quando mergulha, não mostra a barbatana caudal nem arqueia o pedúnculo caudal.
No mar, identifica-se pelo sopro vertical, que pode atingir os 3 m de altura e pela sua barbatana dorsal alta e falciforme. Quando emerge, é possível observar o espiráculo e a dorsal simultaneamente à superfície.
Esta espécie viaja sozinha ou em grupos de 2 a 5 animais, mas pode ser avistada em grupos de 30 indivíduos para efeitos de alimentação.
Durante a primavera e o verão, é podemos encontrar esta espécie a alimentar-se de cardumes de pequenos peixes, em associação com golfinhos.


Baleia-de-bossas - Megaptera novaeangliae
As Baleias-de-bossas (Megaptera novaeangliae) fêmeas adultas medem entre os 16 e os 18m, sendo que os machos são ligeiramente mais pequenos. Os pesos variam entre as 24 e as 40 t em função do tamanho de cada indivíduo.
As crias medem 4,5 m.
A Baleia-de-bossas é facilmente identificada pelas muitas protuberâncias arredondadas que possui na cabeça e pelas barbatanas peitorais – compridas que se estendem ao longo de um terço do comprimento do corpo – facilmente visíveis quando o cetáceo está à superfície.
A Baleia-de-bossas apresenta uma coloração preto azulado escuro, na região dorsal, enquanto na região ventral, pode ser clara ou escura.
Quando mergulha, esta espécie costuma arquear o dorso e elevar totalmente a barbatana caudal para fora de água. É uma espécie curiosa com as embarcações e extremamente ativa, saltando com frequência.
Nos Açores, a Baleia-de-bossas é normalmente observada em pequenos grupos, podendo ser avistada muito perto da costa.


Baleia-anã - Balaenoptera acutorostrata
A Baleia-anã (Balaenoptera acutorostrata) adulto mede até aos 10 m, sendo que a fêmea é ligeiramente maior. Estes animais pesam em média cerca de 9,2 t.
Apresenta um corpo alongado e uma cabeça pontiaguda. As barbatanas peitorais identificam-se por uma faixa branca. A restante coloração do corpo é cinzento azulado escuro, na região dorsal e clara, na região ventral.
Quando emerge, é possível observar o espiráculo e a dorsal, simultaneamente, à superfície. No entanto, quando mergulha, não costuma mostrar a barbatana caudal.
A Baleia-anã exibe um sopro baixo com cerca de 2 a 3 m de altura.
Podemos encontrar indivíduos solitários ou em grupos pequenos, no entanto, por vezes poderão ser vistos grandes aglomerados de animais, principalmente em zonas de alimentação.


Baleia-de-Bryde - Balaenoptera edeni
As Baleias-de-Bryde (Balaenoptera edeni) fêmeas adultas medem entre os 13 e os 16m, sendo que os machos são ligeiramente mais pequenos. O peso dos adultos é cerca de 40t.
As crias podem atingir os 3,4 m.
A Baleia-de-Bryde é muito semelhante à Sardinheira. Distingue-se por possuir no rosto três cristas longitudinais e de arquear o pedúnculo caudal quando mergulha.
Muito pouco se conhece sobre a estrutura social desta espécie, bem como o seu comportamento. No entanto, como no caso de outras espécies de baleias de barbas, muitas vezes viajam sozinhos ou em grupos de pequena dimensão, sendo por vezes possível encontrar grandes aglomerados de animais na mesma área geográfica, tanto em áreas de alimentação como em áreas reprodução.
Distribui-se em águas tropicais, até latitudes 400 N/S, por isso são de avistamento raro nos Açores.


Baleia-franca - Eubalaena glacialis
A Baleia-franca (Eubalaena glacialis) adulto mede cerca de 15 m, sendo que as fêmeas são ligeiramente maiores que os machos. O peso médio é de 70 t.
As crias podem atingir os 4,4 m e pesar até 1 t.
Este animal apresenta um corpo muito largo e arredondado, sem barbatana dorsal. A coloração geral do corpo é cinzento-escura a preto, com possíveis manchas brancas na região ventral.
Esta espécie é facilmente identificada pelas calosidades esbranquiçadas que apresenta na cabeça e pela linha de contorno da boca fortemente arqueada.
O seu sopro pode atingir 3 m de altura e distingue-se das outras baleias por ser em forma de V. Quando mergulha, mostra a barbatana caudal.
Forma grupos pequenos, entre 1 a 3 indivíduos, sendo considerada uma baleia ameaçada pela IUCN Red List.


Cachalote - Physeter macrocephalus
O Cachalote (Physeter macrocephalus) adulto macho mede entre 15 a 20 m de comprimento, e pode pesar entre 35 a 50 t. A fêmea é mais pequena, mede entre os 11 a 15 m de comprimento e apresenta um peso médio de 20 t.
As crias medem cerca de 4 m e podem pesar até 1 t.
Estes animais apresentam um corpo cinzento ou castanho-escuro e pele rugosa. Podem apresentar cicatrizes brancas resultado de confrontos com outros cetáceos e lulas gigantes (principal fonte de alimento).
Cerca de um terço do seu corpo é ocupado pela cabeça. Esta contém o espermacete: uma estrutura cerosa, que outrora se pensou ser esperma, e que dá origem ao nome em inglês - Sperm whale.
No mar, o Cachalote é facilmente identificado pela forma do seu corpo e direção do seu sopro - para a frente e para o lado esquerdo, formando um ângulo de 45°.
Antes de um mergulho profundo, os cachalotes costumam mostrar a barbatana caudal. Normalmente, quando em alimentação repousa à superfície durante cerca 5 a 15 minutos para se recuperar antes de outro mergulho em busca de alimento. Estes animais podem estar entre 45 minutos a uma hora em apneia, cujas profundidades máximas variam normalmente entre 700 e 1500 metros. No caso dos grandes machos, há uma teoria de que são capazes de realizar mergulhos que chegam até 3000 metros de profundidade, embora isso não tenha sido confirmado.
Normalmente os machos adultos tendem a formar grupos pequenos ou são solitários, enquanto as fêmeas com crias e machos imaturos formam grupos de 2 a 20 animais.


Cachalote-anão - Kogia simus
O Cachalote-anão (Kogia simus) adulto mede cerca de 3 m e pode atingir os 400 kg.
As crias podem atingir o 1,2 m e pesar 55 kg.
Este animal apresenta uma coloração geral do corpo escura, sendo que nas faces laterais da cabeça se podem notar faixas claras que se assemelham a uma falsa guelra. Ao contrário do Cachalote, a pequena barbatana dorsal do Cachalote-anão é falciforme, quase semelhante à de um golfinho.
No mar, é muito difícil de diferenciar esta espécie do Cachalote-pigmeu devido ao seu comportamento esquivo.


Cachalote-pigmeu - Kogia breviceps
O Cachalote-pigmeu (Kogia breviceps) adulto apresenta um tamanho médio de 3,5 m e um peso que varia entre os 315 e 450 kg.
As crias medem até aos 1,2 m.
Esta espécie apresenta um corpo pequeno mas robusto. A barbatana dorsal é bastante reduzida e situada no princípio da região posterior. A coloração escura na região dorsal contrasta com a mais clara na região ventral. Quando visto de cima, a cabeça do Cachalote Pigmeu tem a forma cónica, apresentando um sulco entre o olho e a base da barbatana peitoral (falsa guelra).
Desloca-se em grupos pequenos, até seis animais ou é solitário.
A distribuição desta espécie é pouco conhecida, e o facto de haver poucos registos nos Açores deve-se ao facto de ser um animal com comportamentos discretos e formar grupos muito pequenos (entre três a seis animais).
Os avistamentos da Aqua Açores têm sido sempre de indivíduos solitários, parecendo permanecer imóvel à superfície e tímido perante as embarcações.


Baleia-de-bico-de-garrafa - Hyperoodon ampullatus
A Baleia-de-bico-de-garrafa (Hyperoodon ampullatus) adulto macho mede entre os 7.5 a 10m e chega a ultrapassar as 7 t. A fêmea mede entre os 5.8 e os 9 m e atinge as 5.8 t.
O recém-nascido mede 3.5 m e pesa 300 kg.
Estes animais apresentam um corpo cilíndrico, de cor castanho-escuro, uma testa bolbosa, um bico proeminente e um sulco, atrás da cabeça.
Tem a particularidade de realizar um sopro visível a alguma distância e de fazer mergulhos que podem demorar cerca de uma hora em apneia.
Nesta espécie, os machos adultos têm dois pequenos dentes na ponta da mandíbula inferior, que não são visíveis quando o animal tem a boca fechada. Estes dentes, por vezes, podem estar cobertos por cracas.
De acordo com os avistamentos da Aqua Açores, a baleia-de-bico-de-garrafa ocorre nos Açores de julho a agosto.


Baleia-de-bico-de-Sowerby - Mesoplodon bidens
A Baleia-de-bico-de-Sowerby (Mesoplodon bidens) adulta mede cerca de 5 m e pesa 1 t. Os machos são maiores que as fêmeas.
Os recém-nascidos medem entre 2.4 m a 2.7 m e pesam até 170 kg.
Estes animais apresentam um corpo alongado, mais alto do que largo, de cor variável entre o cinzento-escuro e o azulado, ligeiramente mais claro na região ventral. A cabeça termina num bico proeminente. O maxilar inferior é ligeiramente mais longo que o superior. Nos machos, avista-se um par de dentes a meio do maxilar inferior.
No mar, apesar de ser muito tímido, o macho pode ser identificado pelos dois dentes que apresenta na lateral das maxilas.
Aqui, nos Açores, podemos encontrar pequenos grupos desta espécie com cerca de 8 indivíduos, tendo sido já avistadas algumas crias.


Baleia-de-bico-de-Gervais - Mesoplodon europaeus
A Baleia-de-bico-de-Gervais (Mesoplodon europaeus) adulto mede entre 4 a 5.2 m e pesa 1 t a 2.6 t. Nesta espécie é difícil distinguir o macho da fêmea.
O recém-nascido mede cerca de 1.6 a 2.2 m e pesa cerca de 80 kg.
Estes animais são cinzentos-escuros com um ventre cinzento claro e costumam apresentar cicatrizes brancas que evidenciam lutas entre si.
A sua cabeça é pequena e pontiaguda, com um bico estreito. Os dentes são imperceptíveis e só se desenvolvem em adultos do sexo masculino, sendo localizado perto da ponta da mandíbula inferior.
A Baleia-de-bico-de-Gervais é uma espécie tímida e difícil de observar. Costuma deslocar-se em grupo ou em pares.


Zífio - Ziphius cavirostris
O Zífio (Ziphius cavirostris) adulto macho mede entre os 4 a 7 m e pesa até 3.4 t. A fêmea é ligeiramente maior.
O recém-nascido mede entre 2 a 2.7 m e pesa até aos 300 kg.
Estes animais apresentam uma pigmentação que vai clareando com a idade. jovens, são de cor cinza e em adultos de cor castanha clara, embora à luz do sol possam parecer quase avermelhados. Devido às lutas com outros cetáceos, o Zífio costuma ostentar um grande número de cicatrizes brancas.
No mar, é facilmente identificado pela cabeça mais clara que o resto do corpo, com uma pequena concavidade, que termina num bico curto.
Não costumam circular em grupos grandes e é até comum encontrar-se Zífios adultos sozinhos. Também não são muito curiosos e por isso é pouco frequente aproximarem-se das embarcações.


Baleia-de-bico-de-Blainville - Mesoplodon densirostris
Baleia-de-bico-de-Blainville (Mesoplodon densirostris) adulto mede entre 4,5 a 6 m e pesa entre os 820 kg até 1t.
As crias medem até 2,6 m.
O corpo da baleia de Bico de Blainville é largo e robusto, mas está comprimido lateralmente na região da cauda. Têm uma testa pequena e plana em comparação com o bico, que é bastante comprido. Nos machos, o maxilar inferior presenta uma grande curvatura, sendo isto uma característica distintiva para reconhecer esta espécie no mar; tal curvatura é mais suave nas fêmeas.
Quando os machos alcançam a maturidade sexual começam a desenvolver um par de dentes na metade do maxilar inferior. Estes dentes podem ultrapassar o maxilar superior e, com o tempo, ficar incrustados de parasitas que os faz ainda mais visíveis.
A coloração geral do corpo varia entre o cinzento-escuro e o preto, sendo ligeiramente mais claro na região ventral.
Normalmente, são animais tímidos e discretos e, por isso, evitam as embarcações, o que pode justificar os poucos avistamentos nos mares dos Açores


Baleia-de-bico-de-True - Mesoplodon mirus
A Baleia-de-bico-de-True (Mesoplodon mirus) adulto mede até 5.3 m, chegando a pesar cerca de 1,3 t.
As crias medem 2.3 m e pesam cerca de 136 kg.
Esta espécie apresenta uma coloração cinzenta azulada escura, com uma mancha escura em torno de cada olho. O terço final do corpo pode ser claro.
A Baleia-de-bico-de-True apresenta um bico de tamanho médio, com pequenos dentes na ponta da maxila inferior.
A testa é ligeiramente protuberante e apresenta uma leve depressão no espiráculo.
Tal como a maioria das baleias de bico, tem um comportamento tímido perante as embarcações, pelo que os avistamentos confirmados desta espécie são raros nos Açores.


Orca - Orcinus orca
A Orca (Orcinus orca) adulto macho apresenta um tamanho médio de 10 m e a fêmea de 8,5 m e um peso que pode atingir as 10 t. A fêmea costuma pesar menos.
Este animal apresenta uma região dorsal com uma coloração negra que contrasta com uma mancha branca, de forma elíptica, atrás do olho e outra mancha acinzentada clara (sela) atrás da barbatana dorsal. A região ventral é branca.
Na Orca, a barbatana dorsal é bastante proeminente e triangular, podendo atingir os 2 m nos machos e 0,8 m nas fêmeas.
O seu corpo é bastante robusto e a cabeça é arredondada sem bico.
Esta espécie é muito ativa e ágil. Quando é avistada, é frequente acompanhar as embarcações.
As orcas apresentam estruturas sociais complexas que têm sido estudadas ao longo dos tempos, podemos, assim, destingui-las em três tipos diferentes: as residentes (formam grandes grupos familiares de duas ou quatro gerações), as transientes (formam grupos pequenos entre 6 a 15 indivíduos) e as de mar alto (muito pouco conhecidas).
Nos Açores, nas ilhas do grupo Central os avistamentos são pouco frequentes. No entanto, a Aqua Açores regista, quase todos os anos, passagens de Orcas no sul da ilha do Pico. Estes avistamentos são de orcas transientes, sendo grupos pouco numerosos.


Falsa-orca - Pseudorca crassidens
A Falsa Orca (Pseudorca crassidens) adulto macho mede entre 5 a 6 m e chega a ultrapassar as 2 t de peso. A fêmea é ligeiramente mais pequena, medindo entre os 4 a 5 m e pesando pouco mais de 1 t.
Os recém-nascidos medem cerca de 1,6 m e pesam até 80 kg.
Este animal apresenta uma coloração geral cinzento-escuro a negra. A Falsa Orca tem um corpo fusiforme e alongado. A cabeça é esguia, sem melão nem bico salientes. A barbatana dorsal é elevada e pontiaguda ou arredondada, com uma inserção muito central em relação ao corpo.
É uma nadadora muito ativa, rápida e curiosa, por isso surge com frequência a acompanhar as embarcações, nadando com velocidade.
No mar, esta espécie é fácil de distinguir pelo facto de mostrar a cabeça à superfície com frequência.
Falsa Orca aparece em grandes grupos, com fêmeas e crias, por vezes até associados a outros cetáceos.


Baleia-piloto de barbatana curta - Globicephala macrorhynchus
A Baleia-piloto-tropical (Globicephala macrorhynchus) adulta macho varia entre os 4 e os 7 m de comprimento, chegando a pesar até 3 t. A fêmea é mais pequena e pode atingir os 6 m de comprimento, com um peso médio de 2 t.
Os recém-nascidos medem 1,4 m e pesam cerca de 60 kg.
A Baleia-piloto-tropical apresenta um corpo de cor cinza escuro, podendo algumas apresentar uma “sela” mais clara no dorso. A barbatana falcada, muito larga na base e a cabeça arredondada é muito fácil de diferenciar das outras espécies de golfinhos.
No mar, é frequentemente vista em grupos de alguns até várias dezenas de indivíduos, ou em grupos mistos de roazes.


Baleia-piloto de barbatana longa - Globicephala melas
A baleia-piloto (Globicephala melas) macho adulto pode alcançar até 6 m e pesar até 3 t, enquanto a fêmea mede até 5 m e pesa até 1,5 t.
O peso do nascimento das crias é aproximadamente 100 kg e medem cerca de 2m.
Esta espécie pode ser facilmente confundida com a Baleia Piloto Tropical, pois o que a distingue é principalmente o tamanho da barbatana peitoral. A barbatana dorsal está posicionada na parte dianteira do corpo e é inclinada para trás. O corpo é alongado, mas forte e estreita-se abruptamente para a barbatana caudal.
Esta espécie (G. melas) prefere águas mais frias que a Baleia- piloto-tropical (G. macrorhynchus), sendo a sua distribuição conhecida principalmente a partir dos 40°N e 47°S.Este é um dos motivos dos seus avistamentos serem raros nos Açores.
São animais muito ativos, comportam-se frequentemente de forma curiosa e aproximam-se dos barcos em grupos entre os 10 a 30 indivíduos.


Golfinho-de-risso - Grampus griseus
O Golfinho-de-risso (Grampus griseus) também conhecido por moleiro ou grampo, adulto macho ultrapassa os 4 m de comprimento e pode pesar entre os 300 e 500 kg. A fêmea é mais pequena não ultrapassando os 3.5 m de comprimento.
Nos Açores já foram encontrados Golfinhos-de-risso com cerca de 700 kg.
Nestes animais predomina o cinzento-escuro que aclara com o aparecimento de cicatrizes brancas, que cobrem quase todo o corpo, resultado de confrontos com outros cetáceos e lulas (principal fonte de alimento).
No mar, o Golfinho-de-risso identifica-se pela cabeça arredondada, sem bico proeminente. A barbatana dorsal é elevada, pontiaguda e escurecida. O Golfinho-de-risso é mais corpulento que a maioria dos golfinhos.
É uma espécie mais tímida e menos acrobática, no entanto pode ser frequente a sua aproximação a embarcações.
O Golfinho-de-risso é uma espécie residente nos Açores, podendo ser facilmente encontrada nas baías do sul do Pico, durante todo o ano.


Roaz - Tursiops truncatus
O Roaz (Tursiops truncatus) adulto macho mede cerca de 4 m e as fêmeas podem atingir um comprimento máximo de 3,7 m. O peso varia entre 150 e 350 kg, podendo chegar, em casos muito excecionais, aos 650 kg.
As crias medem entre 0,9 e 1,3 m e pesam cerca de 30 kg.
O Roaz tem um corpo robusto. Na região dorsal predomina um padrão cinzento-escuro uniforme. A região ventral apresenta tons claros e rosa. A cabeça tem um melão frontal arredondado com um sulco profundo a separar o bico da testa.
No mar, o Roaz é fácil de identificar pelo bico bastante curto e espesso. Trata-se de um animal muito sociável e amistoso que viaja em grupos pequenos, apesar de, ocasionalmente, serem observados grupos de centenas.
É um dos golfinhos mais conhecidos pela população geral, por terem sido protagonistas na série americana dos anos 60 Flipper. Quando a série terminou estes foram utilizados nos primeiros shows em zoos, começando assim esta indústria que se alastrou rapidamente, terão sido roazes os escolhidos talvez pelo facto de existirem muitas populações costeiras residentes, o que facilita a sua captura.


Golfinho-riscado - Stenella coeruleoalba
O Golfinho-riscado (Stenella coeruleoalba) adulto pode atingir comprimento até 2,7 m e um peso médio de 140 kg.
Os recém-nascidos medem 1 m e pesam até 15 kg.
O Golfinho-riscado apresenta uma risca longa e fina que vai do olho até à região ventral posterior. Apresenta ainda uma segunda risca que é mais pequena, que começa no olho e termina na base da barbatana peitoral. O bico é proeminente e esguio.
No mar não é um animal muito curioso, por isso não se aproxima das embarcações, mas gosta de dar grandes saltos que chegam a atingir três vezes o seu tamanho em altura.
É uma espécie gregária, frequentemente avistada em grupos de poucas dezenas de indivíduos, podendo, contudo, ser observado, ocasionalmente, em grupos maiores. Encontra-se frequentemente em associação com outras espécies de golfinhos.


Caldeirão - Steno bredanensis
O Caldeirão (Steno bredanensis) adulto mede entre 2 e 2,7 m de comprimento e pesa entre 120 a 160 kg.
A cria atinge apenas 1 m.
Neste animal a cabeça é composta por um bico comprido, enquanto as barbatanas peitorais e dorsal são largas e proeminentes. A cabeça e o bico parecem fundir-se num só, por isso este golfinho parece mais esguio que os golfinhos comuns.
A região dorsal apresenta uma coloração escura, contrastando com a região lateral de cores mais acinzentadas a azuladas.
O maxilar inferior e lábios são claros e a região dorsal apresenta um padrão escuro, contrastando com a região lateral de cor azul acinzentado claro.
Esta é uma espécie que muito raramente aparece junto à costa e quando o faz forma grupos de 10 a 20 indivíduos, podendo mesmo ocorrer aglomerações de mais de 50.
Tem uma distribuição mais tropical, preferindo águas mais quentes. Como tal, é raramente avistado nas águas dos Açores.


Golfinho-de-Fraser - Lagenodelphis hosei
O Golfinho-de Fraser (Lagenodelphis hosei ) adulto mede entre de 2 e 2.6 m de comprimento e pode pesar entre os 160 e os 210 kg.
As crias medem cerca de 1 m e pesam cerca de 19 kg à nascença.
Estes animais apresentam um corpo robusto com um bico curto. O dorso é cinzento-azulado ou castanho-acinzentado e o ventre é branco cremoso ou branco rosado. Nas laterais do corpo, possui uma faixa cinzento-escura a preta. Entre o dorso e essa faixa possui uma linha cinzenta ou creme a separá-los, as barbatanas peitorais são escuras, pequenas e pontiagudas.
No mar, o Golfinho- de Fraser tem um estilo natatório agressivo. Receia as embarcações e é comum afastar-se rapidamente, mas também pode, por vezes, acompanhar à proa.
Normalmente, é avistado em grupos numerosos, muitas vezes, em grupos mistos com outros cetáceos como, por exemplo, as falsas orcas, cachalotes e golfinhos riscados.
Esta espécie é relativamente recente nas nossas águas, tendo sido avistada pela primeira vez na costa sul do Pico, em 2008.


Golfinho-pintado - Stenella frontalis
O Golfinho-pintado (Stenella frontalis) adulto macho pode ultrapassar os 2 m de comprimento e pesar cerca de 140 kg. A fêmea é mais pequena, não ultrapassando os 2 m de comprimento e apresentando um peso médio de 130 kg.
Os recém-nascidos medem entre 0,8 m e 1 m de comprimento.
Podemos descrever a pigmentação do Golfinho pintado como tricolor. A região do dorso é mais escura, contrastando com tons de cinza claro nas laterais, e o pedúnculo caudal e barriga com tonalidades esbranquiçadas. O bico é alongado e tem a ponta branca.
Como principal característica para distinguir esta espécie no mar encontramos que os animais adultos têm manchas escuras na barriga e claras na região dorsal e lateral, enquanto os animais juvenis e as crias nascem sem manchas e são uniformemente cinza.
São muito ativos. Frequentemente acompanham as embarcações, com comportamentos aéreos muito acrobáticos. É uma espécie gregária, formando grupos de dezenas a poucas centenas de indivíduos.
Visitam as águas dos Açores apenas durante o verão.


Golfinho-comum - Delphinus delphis
O Golfinho-comum (Delphinus delphis) adulto mede cerca de 2.5 m de comprimento e pode pesar entre os 100 e os 200 kg.
As crias medem cerca de 80 a 90 cm.
No mar, estes animais são facilmente identificados por serem muito ativos e ágeis. Viajam a grande velocidade e é frequente que se aproximem da proa de embarcações para nadarem na onda provocada pela deslocação do barco.
Este golfinho apresenta um corpo elegante com um bico fino. O dorso é escuro e o ventre claro. Nas laterais do corpo, abaixo da barbatana dorsal, forma-se um V escuro, ladeado de amarelo pálido.
Normalmente, são avistados em grupos numerosos, que podem integrar centenas de indivíduos.
O Golfinho-comum pode ser visto ao longo de todo o ano no sul da ilha do Pico.
Newsletter
Ilha do Pico
Arquipélago dos Açores
Pico
Gastronomia regional
O que visitar
Sobre
Aqua Açores
Conheça a equipa
Vigias
Junte-se a nós

Perguntas frequentes
Sobre os serviços
Dicas fotográficas